Para não deixar a oportunidade passar


“É difícil até pra tirar foto”. Quando diz isso, o técnico em refrigeração Pedro Pereira Silva não quer dizer que o seu filho Geovani, 15, seja mais ou menos bonito. A dificuldade para que ele seja fotografado está na altura do garoto: 1,90m, o que o torna um verdadeiro obstáculo a ser enquadrado pelas lentes da câmera.

Com todo este tamanho, não teve outro jeito, Geovani quis seguir a carreira de atleta. Diferente do que se possa imaginar, jogar basquete ou vôlei não é a primeira opção. Como bom brasileiro, o sonho do garoto é ser jogador de futebol. “Desde criança eu sempre joguei, é meu esporte favorito”, conta o jovem.
Em Guaramirin, sua cidade natal, Geovani jogava como volante na escolinha do professor Gomes. Certa vez, ao disputar um campeonato em Florianópolis, um olheiro do Figueirense sugeriu que ele mudasse de posição, a ideia era que ele fosse um centro avante. “Dali em diante ele começou a ser artilheiro de todos os campeonatos e não trocou mais de posição”, comemora o pai.

Ainda em julho deste ano, ao participar de um campeonato defendendo o time da Fundação de Esportes de Balneário Camboriú, que foi organizado em Curitiba pelo Atlético - PR, no qual o time da cidade catarinense conseguiu convite através da Faro Agenciamento Esportivo, Geovani e mais quatro atletas foram selecionados para um período de treinos com a equipe da capital paranaense. Mas no meio do caminho houve um pequeno problema que adiou o sonho de Geovani de se tornar jogador do Atlético. “Ele teve uma carga excessiva de treinamentos quando voltou a Guaramirin, o que causou um estiramento muscular na perna esquerda”.

Meses depois, após passar por um tratamento em Jaraguá do Sul, já está tudo bem com a perna de Geovani. Mas se uma oportunidade passou, outra logo apareceu, como não poderia deixar de ser para o talentoso garoto. “Já fiz exames médicos no Coritiba, agora é só esperar o resultado”, projeta o garoto.


06/10/2011